Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2014

Humildade vem de "humus"

Imagem
  Se coisa há que podemos aprender com mais uma história em que de bestial se passa a besta - e neste caso falo justamente do BES... - é que por, mais rico e poderoso, não há ninguém neste mundo que seja invunerável e infalível. Podem as capas das revistas coroar êxitos e destacar méritos, podem as vozes calar-se perante o prestígio, mas justamente quando pensamos que aquela pessoa é um/a "afortunado/a" - seja por mérito próprio, seja pelas sortes que lhe calharam - não há passarelas vermelhas para sempre.  Lembro-me de Aznar e do seu sucesso, até que o mesmo o terá de certa forma cegado. Quando muito alto se chega, há quem diga que se perde a noção das coisas. Eu sempre achei que o muito dinheiro realmente não ajuda muito, distorce até as coisas, sobretudo que tenhamos consciência das nossas limitações. É esse exercício que por certo é difícil de se fazer: aceitar que se pode perder, que amanhã podemos estar pior do que hoje, não sair sempre por cima. Por iss

Celebração do Gesto

Imagem
No outro dia em casa dos meus tios Thomaz e Maria José conversava com um tipo muito engraçado que é escultor e se chama Luís Valadares. É uma pessoa criativa, excêntrica, que contou uma série de anedotas. Uma personalidade de artista. Falámos sobre Rodin e sobre o museu em Paris de que gosto muito, no 6 ème.  Contava ele que certo dia lhe terá sido atribuído um lugar dentro dum edifício para desenvolver uma obra e que no mesmo edifício - que se bem me recordo seria em Montemor - havia outros artistas a trabalhar. Um deles seria João Pedro Croft, escultor de obras abstractas e muito conceituado no meio. Ora bem, parece que ao realizar a obra o Luís Valadares entrou numa casa de banho onde estava material  dentro duma banheira - seria gesso? - e pretendia pegar numa dessas massas de material para utilizar na sua obra, quando subitamente é surpreendido por uma rapariga muito nervosa que lhe diz para ele não pegar nessas massas de gesso, em forma quadrada, pois isso tratava-se da últi

Paichão

Imagem
Seguindo na estrada com andar constante, com a cabeça entre os ombros e o olhar em frente, concentrado no coração como quem reza uma prece... mas os passos ainda nesta estrada, há muito começada. Esta é a vida, a minha vida, nada nem ninguém me demovem de a viver, de a percorrer, num suceder de imagens que a calma interior faz com que nela habite o projecto e a entrega, o interesse em fazer dela um belo pacote de riquezas, de tesoiros. Pois tudo não são senão paixões e convicções. Jamais o desânimo. Falta a coragem de enfrentar os dias com o peito aberto? Pomos o olhar no chão da estrada que pisamos?  Há tempo para tudo e entre o coração que sente e a cabeça que pensa, façamos as nossas escolhas. E levantemos logo logo o olhar em frente, se por acaso, por momentos ele se pousou no chão.