Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2016

Mergulho no mar

Imagem
A aproximação não é fácil porque o mar não é muito convidativo: a beira-mar inclinada a obrigar o bíceps da coxa a estar em tensão, as ondas desobedientes a uma ordem certa e, sobretudo, o primeiro impacto dos pés com a água desencorajante, por razões eminentemente térmicas.   O corpo entrando no mar: os músculos, alguns deles retecidos, outros como os da barriga encolhidos, o esqueleto em sentido. Duas estratégias diferentes: permanecer esperando até que, já banhado pela espuma e salpicado pelas ondas, em gestos tímidos se avança passo a passo; acometer-se num mergulho - cuja decisão ainda assim é por uma ou duas vezes adiada - à frieza das águas. Eu acho que nunca se entra na água da Praia Grande sem certa dose de ímpeto afirmativo; sou pois absolutamente defensor da segunda estratégia definida. Poderia haver aqui um quê de exibicionismo, mas manda sobretudo a fidelidade a uma identidade pessoal filiada a uma pertença colectiva. Mas, para mim, é antes de mais e acima de tudo,

Jorge Silva Melo e Lisboa. Aprende-se a mudar até morrer!

Imagem
Jorge Silva Melo é um homem de quem eu gosto. É uma pessoa honesta, interessante, que diz o que pensa. Não alimenta ódios.  Não tem uma coisa que me irrita em muitas pessoas de esquerda que é acharem-se detentores da verdade e, mais do que isso, terem um discurso arregimentado. Encontro esse discurso muito arregimentado no "mon ami" Soares. O velho Soares sempre se achou com direito de discutir quem são os bons e quem são os maus, quem os que se deve amar e quem se deve despeitar. Ouvi-o hoje numa entrevista na Antena2. É uma pessoa com uma memória prodigiosa. É um tipo agradável, simpático, um bom conversador, parece muito humano. Não o conheço muito bem, mas gosto dele. Hoje dizia na entrevista que deu, que a sua Lisboa encolheu. Ter-se-á tornado a cidade menos interessante?! No outro dia falava eu com umas turistas belgas e lhes dizia que, para mim, a cidade de Évora é a cidade mais bonita de Portugal... depois reflecti cá para mim... será mesmo?! Seria eu capaz de of